terça-feira, 25 de julho de 2017

No passado dia 13 de junho, por ocasião da "procissão em honra" de Santo António que passa por alguns Bairros Históricos da cidade de Lisboa, tive ocasião para confrontar o sr. Medina, com o colar que lhe deveria merecer mais respeito, sobre o que estava ele a fazer naqueles locais quando tem sido o maior delapidador desses mesmos Bairros com as politicas que a CML tem seguido.
Fui imediatamente confrontado por uma senhora com uma tremenda sobranceria a dizer-me que estava numa "procissão" e que não seria aquele o local para confrontar sua excelência. Esta senhora é uma ex-PSD, ex-PS e que atualmente pertence ao executivo camarário sabe-se lá com que "cara". É a mesma senhora que aqui há algum tempo questionou os habitantes da cidade de Lisboa, à qual ela não pertence, assim como o Medina, porque não utilizavam a bicicleta como meio de transporte à semelhança do que ela fazia/faz...
Dá para perguntar à criatura, se ela acha natural que quem viva nos Bairros Históricos da Cidade de Lisboa que aliás é conhecida pela cidade das 7 colinas, pode utilizar a bicicleta como meio de transporte casa/trabalho e trabalho/casa, como ela que vive na linha de Cascais e que para chegar a Lisboa é tudo a direito...
Pantomineira!
Só que, a seguir à pantomineira, chegou perto de mim uma senhora, Carla Matos, que se disse secretária do presidente e entregou-me um cartão para que lhe fizesse chegar a minha mensagem.
Posso dizer que a "coisa" ficou por ali.
No dia 18 de junho, fiz chegar á senhora secretária a informação que tinha entregue ao presidente da CML anteriormente, pelo que vejo hoje de forma infrutífera, pois ainda não recebi qualquer resposta. Nem a dizer que não tenho razão naquilo que estou a defender.
Já não sei o que fazer!
Apenas sei que não irei fazer esquecer as criaturas que "mandam" na Cidade onde nasci, que o que se está a passar é a negação completa de uma cidade que se quer europeia. Uma cidade que quer dar aos seus habitantes qualidade de vida.
Aliás, qualidade de vida que Lisboa já teve e que agora com estas criaturas a tomar conta da cidade, está a perder dia após dia.
Não irei cair!
Não irei desistir!
Tentarei, através de todas as formas que estiverem ao meu dispor, combater este tipo de coisas, que apenas estão a destruir O CENTRO DA CIDADE DE LISBOA!

ACORDAI, POVO, ACORDAI!!!

Paulo «sopas» Amaral

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Ser do Bairro

Há alguns anos atrás, e não é há muitos, o que se ouvia nas ruas do meu Bairro de Alfama eram os homens e mulheres bairristas, aqueles homens e aquelas mulheres que davam vida a Alfama, que transpiravam bairrismo e que eram a essência do Bairro.
No Bairro onde nasci e ainda moro, tratavam-se as pessoas pelo nome, não havia ninguém que pudesse estar mais do que dois dias sem ir à mercearia ou à leitaria que logo alguém lhe ia bater à porta a saber se estava tudo bem, quando se saía de casa dizia-se bom dia com quem nos cruzávamos.
No Bairro onde nasci e moro, as pessoas que eram a génese de Alfama são colocadas fora de suas casas pelos senhorios que na ânsia de fazerem dinheiro e com o apoio da CML e da Junta de Freguesia matam Alfama e a sua essência.
Agora, no Bairro onde nasci e moro, o que se ouve são os tróleis de viagem nas ruas empedradas, já não se diz bom dia com quem nos cruzamos na escada do nosso prédio e o que se ouve falar é inglês, francês, alemão...
Há cerca de duas semanas fui almoçar à Baixa de Lisboa com a minha mulher.
Quando nos acercámos da entrada de um restaurante para consultar a ementa, um empregado chegou perto de nós e perguntou em inglês se nos poderia ajudar ao que eu respondi que falávamos português ao que o senhor disse textualmente "por vezes eu também".
Ao que isto chegou!
E agora, querem-me impingir esta criatura que se diz presidente da CML que tudo tem feito para destruir os Bairros Históricos de Lisboa, que tem posto num caos a vida de quem necessita da cidade para trabalhar com obras e mais obras, muitas delas de duvidosa eficácia.
ACORDAI, POVO, ACORDAI!

Paulo «sopas» Amaral

terça-feira, 23 de maio de 2017

Ao Presidente da CML


Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lisboa
No passado dia 6 de maio, enderecei-lhe uma reclamação através de um outro endereço de correio eletrónico (ssopas@sapo.pt) da qual não obtive nenhuma resposta.
No entanto, fiquei a saber pela comunicação social que V. Ex.ª se encontrou com uma cantora estrangeira, a pedido desta, suponho.
Calculo que a sua agenda seja tremendamente dinâmica e preenchida.
Também sei que não sou nenhuma vedeta do pop, nem ando pelo mundo a adotar crianças e não tenho a comunicação social atrás de mim a tirar fotografias, graças a deus...
O que sei é que sou habitante nesta minha Cidade há 49 anos e que deveria merecer da parte de V. Ex.ª a atenção inerente a cidadão nascido, criado e a habitar em Lisboa que preferiu continuar a viver no centro histórico da cidade em lugar de se entregar e ir viver para outro qualquer local, desertificando os bairros históricos, como V. Ex.ª tão bem sabe fazer com as medidas que tem andado a tomar desde que o poder lhe caiu no colo.
Com os melhores cumprimentos.
 
 
Paulo Jorge Sopinha de Amaral

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Francisco

Quem me conhece sabe que sou laico.
Que sou ateu!
Não creio!
Mas, por paradoxal que possa parecer, já fui algumas vezes a Fátima e senti-me bem lá.
Agora, por ocasião da visita do Papa Francisco, fiquei com uma certeza: tenho uma grande empatia por esta criatura. (como vês, Raquel, chamo criatura ao Papa porque ouvi dizer que Ele é uma Criatura de Deus...).
Quanto à questão das aparições/visões, penso que tudo deve ser tratado com muito mais razão do que com o coração.
Em 1917, Portugal era um País pobre, iletrado, onde se passava fome. Tudo condições que podiam potenciar situações como aquela que agora se comemora.
Existem vários fatores que podem ter potenciado este fenómeno das aparições/visões. Tanto assim é que a partir de 1930 é que começaram a haver novas narrativas por parte de Lúcia que coincidiram com uma relação de respeito e aproveitamento mútuo entre Fátima e o Estado Novo.
Como escreveu o papa emérito Ratzinger quando ainda era apenas cardeal no seu "Comentário Teológico" quando se tratava de sustentar a decisão de João Paulo II de tornar público o texto da terceira parte do "segredo de Fátima", diz o antigo Cardeal quando se questiona a forma como a igreja compreende fenómenos como o de Fátima, Ratzinger responde da seguinte forma: "como revelações privadas, que podem constituir um válido auxílio para compreender e viver melhor o Evangelho nos diversos tempos, mas cujo uso para a fé não é obrigatório".
Sei que este tipo de questões envolvem muita e muita discussão.
Será isto a Fé?
Tudo isto, devia ser motivo de estudo e reflexão por parte daqueles que estudam estes fenómenos. Não eu.
Apenas pretendo ficar esclarecido.
Faço a minha parte.
Vejo e leio!
E tento compreender.

Paulo «sopas» Amaral

A hipocrisia do capitalismo

Fiquei estarrecido ao ver um anúncio de uma corrida com o slogan "EDP Lisboa, A Mulher e a Vida" com o custo de inscrição de 15 euros que se destinarão à compra de aparelhos para o rastreio do cancro da mama.
Nada tenho contra este tipo de iniciativas que prestam um excelente serviço público para não se esquecer que em cada ano são diagnosticados cerca de 4500 novos casos em Portugal.
Mas o que me causou espanto foi saber quem eram os principais patrocinadores do evento: Vodafone, Santander e EDP.
Não pretendo exagerar na minha análise a este tema, mas seguramente estes três patrocinadores devem ter tido, só no 1º trimestre deste ano, lucros de diversos milhões de euros CADA UM!
Mas mesmo assim, patrocinam um evento em que pedem 15 euros de inscrição a quem se predispõe a ajudar-se e a outras mulheres. Sabe-se lá com que dificuldade irão despender esse valor para uma ação de solidariedade!
E aqui entra o título que escolhi para este texto.
O capitalismo é hipócrita, além de ser predador.
O capitalismo cria pobreza para que possa obter o maior lucro possível.
Não ficaria melhor a estas três empresas predadoras que se predispusessem a elas próprias patrocinarem a aquisição dos aparelhos que tanta falta farão a unidades hospitalares para o rastreio deste mal, que tanto aflige as Mulheres Portuguesas?
Patrocinar uma corrida para um ato tão solidário é uma coisa, e subscrevo por baixo e deve-se dar o devido valor a isso.
Agora, patrocinar uma corrida e exigir tanto a quem tão pouco tem, para ficarem eles com os louros, já considero um abuso despudorado.

Paulo «sopas» Amaral

sábado, 6 de maio de 2017

Reclamação a S. Ex.ª o Presidente da Câmara da Minha Cidade

Assunto Reclamação
De Paulo Amaral
Para 'gab.presidente@cm-lisboa.pt'
Enviado sábado, 6 de maio de 2017 15:52
Anexos

Senhor Presidente da Câmara da Minha Cidade
Em 12 de abril deste ano, escrevi numa página da internet da Câmara Municipal de Lisboa o texto que a seguir está transcrito, pensando que teria uma resposta de V. Ex.ª.
No entanto, passado quase um mês, verifico que um cidadão de pleno direito nascido e criado em Lisboa, perdoe-me a imodéstia, a minha Cidade, não obtive qualquer reposta da parte de V. Ex.ª.
Partindo do princípio que o canal de comunicação que escolhi não foi o adequado, partindo do princípio, resolvi passado este tempo escrever-lhe para a sua página que encontrei no sítio da Câmara Municipal de Lisboa esperando deste modo obter uma qualquer resposta de V. Ex.ª.
Como na altura no sítio da Câmara Municipal de Lisboa não permitiu carregar fotos com mais do que uma certa capacidade, tendo ficado o texto que enviei a V. Ex.ª coarctado de informação importante para a percepção da minha reclamação, hoje junto as fotos que penso serem de extrema importância para que V. Ex.ª perceba a minha indignação.
“Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Lisboa.
Estou a endereçar-lhe esta mensagem para demonstrar a minha indignação em relação ao que se está a passar na minha Cidade.
Antes de mais referir que nasci e moro há 49 anos no Bairro de Alfama. Trabalho a cerca de 100 metros do edifício da CML na Praça do Município.
Por isto, o meu percurso de casa para o trabalho e vice-versa é feito sempre a pé, umas vezes pelo Campo das Cebolas e Chafariz de Dentro, outras vou pela Rua da Conceição, Sé e Portas do Sol.
Conforme pode comprovar facilmente, a qualidade de vida que nós Lisboetas tínhamos, está a perder-se.
O Sr. Presidente não pode, apenas e só por motivos económicos, olvidar quem preferiu viver no centro de Lisboa. Não pode colocar os seus objetivos mercantilistas em detrimento dos Lisboetas que QUEREM continuar a ter uma cidade ordenada, limpa, sem qualquer descaracterização.
Quando vi o Sr. Presidente na televisão muito constrangido com a situação ocorrida em Carnide, que por mim os moradores estiveram bem pois os parquímetros e o estacionamento condicionado nos Bairros históricos deveria merecer um debate mais alargado, não o vejo da mesma forma com a forma desordenada como os tuk-tuk's circulam e estacionam no centro da Cidade, prejudicando quem cá vive e quem cá trabalha.
Sr. Presidente, sugiro que ande pelo centro de Lisboa a meio da tarde, para aquilatar da desordem existente nos tuk-tuk's e na forma como as criaturas que os conduzem se comportam no trânsito.
Para não falar na forma como está a ser conduzido todo o processo do alojamento local, e do arrendamento temporário a turistas, por exemplo no Bairro de Alfama, que tem criado bastantes constrangimentos a quem cá vive.
Repare, Sr. Presidente:
Não são os turistas que votam nas eleições autárquicas;
O turismo é uma situação volátil, hoje está aqui mas amanhã transfere-se para outro país.
Sr. Presidente,
Tudo farei, mas mesmo tudo, para que esta minha indignação não fique por aqui.
Com os melhores cumprimentos.”
Ficando a aguardar uma resposta de Vossa Excelência, despeço-me com os melhores cumprimentos Alfacinhas.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Forma ou Conteúdo

Ontem ouvi, mais uma vez, o Presidente Trump a afirmar que iria correr dos EUA com os traficantes de droga, com os criminosos e com os ladrões, não necessariamente por esta ordem.
Penso que qualquer pessoa de bom senso, assinaria uma decisão destas em qualquer parte do mundo.
Mas as opiniões que se ouvem é de repúdio por este tipo de decisão.
Há quem diga que o Trump é um "cromo" e que só diz disparates…
E há quem diga que não é o conteúdo da mensagem mas sim a forma como ela é transmitida. Concluo que se estas palavras fossem ditas, por exemplo, pelo anterior presidente, que seriam pináculos de um qualquer discurso por ele proferido. Já que referi o anterior presidente dos EUA, lembrei-me da forma como ele se dirigia à nação quando existiram os tiroteios em que eram mortas várias pessoas, algumas delas muito jovens. A forma compungida como ele afirmava que se deveria acabar com a legalização das armas em vários estados norte americanos, deve ter deixado em lágrimas vários milhões de pessoas. Mas o resultado final de tão angustiados discursos, o conteúdo de tanta prosa, foi nulo.
Ora aqui é que eu acho que está a grande crise de valores e onde se nota a enorme incultura política do povo português.
Dá-se mais importância à forma do que ao conteúdo.
Valoriza-se a aparência em detrimento do que se afirma.

Acordai Povo, Acordai!


Paulo «sopas» Amaral

sábado, 7 de janeiro de 2017

Três palavras

Tenho reparado, e não é de agora, que a sociedade portuguesa enferma de alguns males que tem feito com que quem nos governa aos mais variados níveis, fiquem impunes e não lhes seja assacada toda a responsabilidade por atos danosos para o erário público.
Eles são governantes, políticos, banqueiros, autarcas, administradores de empresas públicas...
A três palavras são:
1. Habituação.
Habituámo-nos a ver, a ouvir e a ler que os "nossos" responsáveis são alvos de processos judiciais por corrupção. No final do processo que os levou a tribunal, a sentença é de absolvição quando os processos chegam ao fim, porque algumas vezes, esses "responsáveis" têm advogados pagos a peso de ouro porque podem e esses não estão acessíveis ao comum dos cidadãos, e esses advogados arranjam artimanhas para que os processos prescrevam.
Nada nem ninguém se insurge contra estas manigâncias arquitetadas por quem tem poder e dinheiro.
2. Dormência.
"Estado de quem dorme ou sofre um torpor."
in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Estas situações são tão recorrentes que leva a que grande parte da população, aqueles que com o poder do seu voto e da sua indignação, se deixam levar por aquilo que deveria ser a exceção mas que se tornou a regra.
Chegámos a uma dormência tal, que apenas nos importa que chegue o final do mês para voltarmos a ter dinheiro na conta, que chegue depressa o verão para voltarmos a andar de calções e chinelos a caminho da praia e que o nosso clube seja campeão de futebol...
Ou seja, a negação de pensar, a inação do espírito, a indiferença.
3. Sonolência.
Ou seja, Apatia.
O estado em que nada nos importa, tudo o que seja fora do "meu mundo" não me diz respeito.
A língua portuguesa tem alguns provérbios que espelham bem este estado.
"Sacudir a água do capote", é um bom exemplo.
Se pretendemos que o futuro seja aquilo porque passámos e estamos a passar, devemos continuar habituados, dormentes e apáticos.
Se pretendemos outro futuro...

ACORDAI POVO, ACORDAI!

Paulo «sopas» Amaral